Bolsonaro estuda corte de patrocínios culturais da Petrobras

As mudanças na política cultural e de publicidade prometidas pelo presidente Jair Bolsonaro chegaram à estatal Petrobras.

A petroleira patrocinou mais de 4 mil projetos culturais desde 2003, quando foi criado o Programa Petrobras Cultural, que passou a ser a maior seleção pública do tipo no Brasil.

Agora, sob nova direção, a empresa estuda o rompimento de contratos firmados nos governos anteriores, principalmente com grandes grupos de teatro e cinema e com a mídia tradicional.

Na nova gestão do presidente Jair Bolsonaro, o dinheiro de publicidade da Petrobras deve ir para as redes sociais e artistas menos conhecidos.

Segundo o jornal Metrópoles, juntas, as áreas de cultura e imprensa consumiram quase R$ 160 milhões da estatal no ano passado. Os gastos com publicidade foram de cerca de R$ 120 milhões e com patrocínios culturais, de R$ 38 milhões.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Petrobras afirmou que “está revisando sua política de patrocínios e seu planejamento de publicidade”.

Ao todo, a Petrobras tem contratos de patrocínio ativos firmados em gestão e governos anteriores que somam R$ 3,5 bilhões, segundo dados divulgados em seu site. Alguns deles se estendem até 2021.

Fonte:Jornal Metrópoles