Sarampo Prefeitura divulga estudo da situação epidemiológica da doença na capital

Desde fevereiro de 2018 que capital enfrenta surto da doença. A vacina é a medida de prevenção.

A Prefeitura de Boa Vista realizou recentemente um estudo da situação epidemiológica do sarampo no município de Boa Vista. A doença reapareceu no Brasil e especificamente em Boa Vista, em fevereiro do ano passado.

De acordo com o levantamento feito pelo departamento de vigilância epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, Boa Vista ainda está em situação de surto do sarampo.

Segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), 326 casos suspeitos foram notificados na capital. Destes, 171 foram confirmados, 133 descartados e 22 estão em investigação, até o momento.

A diretora de vigilância epidemiológica, Roberta Calandrini destaca que o sarampo é uma doença altamente transmissível. “A disseminação é tão rápida, que em fevereiro do ano passado foram registrados casos em quatro das nossas macro áreas de atuação. Já em março, o registro da doença passou a todas as oito macros áreas. De um caso, espera-se mais 18 novos casos”.

Apenas 12 bairros não apresentaram casos confirmados de sarampo. Foram registrados casos confirmados em 41 bairros da capital, porém todos os bairros tiveram casos notificados. A prefeita de Boa Vista, Teresa Surita ressalta a importância da vigilância ativa da doença.

“Todo esse trabalho para eliminar e manter a população saudável frente a doença mostra que temos uma equipe de assistência, vigilância e gestão de saúde preparada e capacitada para enfrentar o surto, não somente do sarampo, mas de outras situações de emergências em saúde pública. Nossas equipes estão trabalhando desde o início para poder garantir o encerramento do surto na nossa capital”.

Cadeia do sarampo – Para considerar a quebra da cadeia de transmissão do sarampo é necessário que uma área ou região não registre a ocorrência de casos confirmados por mais de 12 semanas. Hoje, nos 53 bairros de Boa Vista a média por semanas sem casos é de 28 semanas, tendo a variação mínima de 7 semanas no bairro Jardim Floresta e de 39 semanas em 9 bairros (Araceli, Asa Branca, Bela Vista, Jardim Primavera, Mecejana, Jóquei Clube, Liberdade, Santa Luzia e São Bento).

Dados – O total da população hoje protegida contra o sarampo na capital é de 215.594, isso representa 84,91% da população protegida.

A principal medida de prevenção contra o sarampo é a vacinação da população suscetível. Desde o início do surto, as equipes de saúde do município trabalham para avaliar os cartões de vacina, vacinar as pessoas que não receberam as doses, completar o esquema vacinal, levar a vacina até locais onde não há uma unidade de saúde, divulgar os sinais e sintomas da doença e orientar a população.As doses da vacina tríplice viral estão disponíveis em qualquer uma das unidades básicas de saúde e fazem parte do calendário nacional de vacinação.

Fonte:Secretaria Municipal de Comunicação – SMUC