Trump admite “possíveis futuras reuniões” com Kim Jong-un

O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse que planeia falar hoje, num encontro com o seu homólogo sul-coreano, Moon Jae-in, sobre “possíveis futuras reuniões” com a Coreia do Norte que permitam restabelecer o diálogo com Pyongyang.
Trump admite "possíveis futuras reuniões" com Kim Jong-un
“Quero expressar as minhas mais cordiais saudações a [líder norte-coreano] Kim Jong-un e ao povo da Coreia do Norte”, disse Trump em declarações à imprensa após receber o líder sul-coreano Moon Jae-in na Casa Branca.

Monn viajou para Washington na esperança de reativar o diálogo com a Coreia do Norte, que se encontra paralisado desde a cimeira de Hanói, que terminou abruptamente sem qualquer acordo.

“Uma terceira cimeira pode ter lugar”, declarou Trump ao receber no gabinete oval o homólogo sul-coreano.

Interrogado sobre eventuais gestos humanitários face a um regime alvo de pesadas sanções da ONU relacionadas com os seus programas nuclear e balístico, não excluiu qualquer possibilidade, mas sem emitir um anúncio preciso.

“Falamos de certas questões humanitárias e deve-se ser honesto. Os sul-coreanos fazem certas coisas para ajudar a Coreia do Norte com alimentos e outras coisas”, declarou.

Moon, um entusiástico apoiante do diálogo com o seu vizinho do norte, sublinhou por sua vez que não encara a anterior cimeira de Trump com Kim, realizada em Hanói, como um falhanço, mas antes como uma etapa num “processo” muito longo.

Após o fiasco da última cimeira, a administração Trump insiste num “grande acordo” que permita de imediato a “desnuclearização definitiva e inteiramente verificável da Coreia do Norte”, em troca do levantamento das sanções que estrangulam a economia do país.

A cimeira de Hanói foi o segundo encontro entre os dois líderes, depois de uma primeira reunião em 2018, em Singapura, na procura da assinatura de um tratado de paz entre os dois países, que está adiado desde 1953, e de um compromisso de desnuclearização da península coreana.

POR LUSA