Procurador de Contas faz diligência no HGR e pede urgência em reformas

Uma diligência in loco ao Hospital Geral de Roraima para verificar a situação dos pacientes com Covid, fez com que o titular da 1ª Procuradoria de Contas do Ministério Público, Paulo Sérgio Oliveira de Sousa, entrasse com representação contra a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) pedindo conserto urgente na estrutura danificada do Hospital Geral de Roraima e também providencie a manutenção de todas as centrais de ar condicionado da unidade hospitalar.

O procurador pede que o Tribunal de Contas de Roraima (TCE) estabeleça, em até 72 horas, medidas para que não se repita o vazamento no telhado da unidade hospitalar que atingiu pacientes internados.

Também pede que seja determinado que a Secretaria de Saúde de Roraima realize a abertura de procedimento administrativo a fim de apurar responsabilidade funcional dos envolvidos no alagamento da Unidade de Tratamento Intensivo ocorrido no último dia 18 de junho, onde um paciente foi atingido pela chuva.

Paulo Sérgio quer que o caso seja investigado pelo Departamento de Polícia Civil de Roraima para verificar se existe relação entre o vazamento da água dentro da UTI do HGR e a morte do paciente que foi atingido com a água da chuva.

Para o procurador Paulo Sérgio, o serviço público de saúde prestado pela Sesau está muito aquém do ideal, uma vez que é notória a precariedade dos estabelecimentos hospitalares que apresentam problemas graves em suas estruturas. “É preciso que tomem providências para que um serviço de saúde eficaz e de qualidade seja prestado aos usuários. A dignidade dos pacientes está sendo violada, uma vez que nem mesmo um local apropriado e digno está sendo propiciado a eles”.

O procurador questionou na representação se o estabelecimento está adequado para ser utilizado, se os equipamentos utilizados para tratamento intensivo dos pacientes estão em funcionamento, uma vez que também foram atingidos com a água da chuva.

Paulo Sérgio também quer que haja fiscalização dos prédios de cada unidade (telhado, estrutura, instalação elétrica e hidráulica), para que sejam garantidos os direitos dos pacientes que utilizam o serviço hospitalar.

Assessoria