Zé Haroldo Cathedral lança oficialmente a pré-candidatura a prefeito de Boa Vista

“O momento é das novas gerações”, diz

Nesta quarta-feira (29), através de pronunciamento José Haroldo Figueiredo Campos (Zé Haroldo Cathedral) oficializou sua pré-candidatura a prefeito de Boa Vista pelo PSD, exclusivamente nas redes social.

O anúncio se deu por meio de vídeos publicados nas várias plataformas eletrônicas onde ele cita as razões que o levaram a postular nas eleições de novembro o comando da Prefeitura da Capital.

Presidente da Executiva Municipal do Partido Democrático Social (PSD), Zé Haroldo concentra o discurso na necessidade de mudanças. “Mas não é a mudança pura e simples de uma pessoa por outra. É a mudança de ideias, novos projetos, uma mentalidade nova de pensar a cidade e de se relacionar com as pessoas”, diz ele.

Natural de Cuiabá (Mato Grosso), há 10 anos vivendo em Boa Vista, Zé Haroldo tem 38 anos, é formado em Direito com pós-graduação em Gestão Empresarial e Doutorando em Ciências Jurídicas e recentemente presidiu o Instituto de Previdência do Estado de Roraima (IPERR) onde, segundo ele, adquiriu experiência de gestão pública e associada ao tempo de atuação na iniciativa privada, considera-se capacitado para gerir a administração municipal.

“Depois da eleição do meu pai [o deputado federal Haroldo Cathedral] em 2018, tomei gosto pela política e passei a enxergar na política uma grande ferramenta de transformação de vidas. Claro, a política feita de maneira correta, a política voltada para o bem coletivo e não para interesses pessoais””.

Segundo ele a possibilidade de candidatar-se veio surgindo naturalmente depois que o deputado Haroldo Cathedral – que seria o candidato do PSD – decidiu não concorrer. “Acredito que estou preparado para levar a Prefeitura de Boa Vista a um novo nível de gestão e de organização”.

Apesar de novo na política, sendo essa sua primeira disputa a cargo eletivo, Zé Haroldo defende a necessidade de mudanças no rumo da política local, pelo alongamento do domínio em que grupos se revezam no poder há anos. “Nos últimos 30 anos os nomes apenas se revezam no poder. Eu vejo que o momento possibilita que gerações como a minha ocupem esses espaços na política do nosso Estado. A população quer novas ideias, novos grupos, por isso enxergo que esse é o momento ideal para que eu tente ocupar esse espaço que está se abrindo”, observa.

Zé disse que aos 38 anos representa uma geração nova que, nasceu na década de 80 e que está no momento chave de assumir a frente das decisões políticas do país. “Apesar da idade eu me sinto preparado para administrar Boa Vista. Eu quero ser o representante das novas gerações que estão surgindo no Estado”.

Ele disse que os 18 meses no comando do IPERR foram suficientes para lhe ofertar uma visão de como funciona a gestão pública. “Me abriu a visão para a gestão pública e hoje eu tenho um olhar mais apurado do que é bom na gestão pública e na atividade privada”.

Sobre o que faria inicialmente se for eleito prefeito de Boa Vista Zé Haroldo disse que o que for bom e que sirva ao interesse coletivo será mantido, mas ainda há muito por ser feito.

“Eu acredito que na educação vem sendo feito um trabalho muito bom. Nós temos que manter e ampliar número de escolas e de creches, porque a população de Boa Vista vem crescendo muito. A questão da urbanização tem que ser descentralizada. Acredito que a próxima gestão tem que ter um olhar mais cuidadoso para as periferias. A saúde tem que ser prioridade absoluta, porque hoje a Prefeitura gasta mais com urbanização do que com saúde pública. Tem que inverter um pouco essa lógica. Por exemplo, gasta-se hoje, R$ 275 milhões com infraestrutura e R$ 234 milhões com a saúde, e mesmo gastando mais com urbanização ainda há muitos defeitos, porque parte da cidade não é atendida”.

Segundo ele o Plano de Mobilidade Urbana precisa alcançar toda a cidade e não apenas bairros centrais e ruas principais em cada localidade da cidade. “Temos bairros inteiros que não têm asfalto nem saneamento básico. O orçamento de urbanização precisa chegar a todos”, diz ele. Zé Haroldo reconhece que muitas obras de drenagem, asfaltamento, iluminação pública, construção de calçadas, ciclovias, meio-fio, enfim, um volumoso conjunto de ações atende a população atualmente, mas é preciso fazer mais.

Ele afirma que além de problemas estruturais que precisam ser corrigidos, a Prefeitura de Boa Vista precisa urgentemente fazer um Plano Diretor atualizado. Segundo ele o município não possui esse planejamento. “A primeira prioridade é o plano diretor, seguido da descentralização da urbanização. Vou construir um hospital municipal para tirar o peso sobre as Unidades Básicas de Saúde. Sabemos que a educação municipal é boa, mas precisamos melhorar o que já existe. Além de otimizar a gestão, utilizar melhor o recurso e o orçamento do município, entregando um melhor serviço para a população”.

Ele disse que abrirá um diálogo permanente com o Governo do Estado sobre o recapeamento de ruas e destrancar os gargalos no trânsito, em especial a partir da Avenida Venezuela. “Temos projetos que vão trazer um trabalho especial para os idosos, mães, gestantes, jovens e crianças. Queremos montar mais um centro de atendimento para crianças com deficiência. Verificamos que muitas famílias, por conta do deslocamento, não conseguem dar prosseguimento ao atendimento da criança”.

E sobre o relacionamento com a bancada no Congresso Nacional – Senado e Câmara dos deputados – Zé Haroldo acha que prefeito algum pode prescindir do apoio do apoio dos senadores e deputados.

“Eu quero ter um relacionamento muito bom Brasília, com todos. Eu vou procurá-los. Não vou esperar que eles venham até mim. Porque que o próximo gestor vai precisar da força de Brasília para trazer recursos para Boa Vista. As portas da Prefeitura vão estar abertas para deputados e senadores, dentro de uma relação aberta, franca, transparente e verdadeira”.

Prioridades se eleito prefeito, Zé Haroldo cita cinco de imediato: 1) Definição do novo Plano Diretor. 2) A construção de uma Hospital Municipal (não é UPA). 3) A descentralização da urbanização (para atingir as camadas mais necessitadas da população). 4) Tornar a máquina pública mais eficiente e eficaz com corte de cursos desnecessários, com a introdução de novas tecnologias no emprego da mão de obra do município. 5) Integrar todas as secretarias baseado em uma rede de gestão tecnológica que permita que mais servidores trabalham em casa em sistema de Home-Office.

Sobre coligações, Zé Haroldo disse que está em conversão com partidos e lideranças políticas locais. “Ainda estamos em conversas. Temos alguns partidos que são simpáticos a aderir à minha pré-candidatura. Mas até, por uma questão estratégica, eu não posso revelar neste momento’. 

“Não sabemos o cenário econômico que vamos encontrar no ano que vem. Talvez ocorra uma queda na arrecadação e a Prefeitura tenha que abrir mão de algum tipo de recurso para a retomada da economia. Então, vai ser um desafio para o próximo gestor: manter o que já é bom e melhorar o que tem que ser melhorado”.

Assessoria