Segredo da boa forma de Aniston é o jejum intermitente: Como fazer?

A atriz norte-americana Jennifer Aniston, de 50 anos, é extremamente admirada pela sua beleza e excelente forma física, que permanece praticamente inalterada desde os seus 20 anos, idade em que que saltou para o estrelato com a sua participação na icónica série ‘Friends’.

Segredo da boa forma de Aniston é o jejum intermitente: Como fazer?

Em entrevista à emissora britânica Radio Times, Jennifer revelou o segredo para o seu ‘corpão’ invejável: é o jejum intermitente.

Na ocasião, Aniston contou que se abstém de comer alimentos sólidos por 16 horas ao dia e se alimenta apenas durante oito horas. A dieta, que tem sido cada vez mais popularizada, também é acompanhada pela prática diária de exercício físico e meditação cinco vezes por semana.

Jennifer Aniston faz jejum intermitente

“Faço jejum intermitente, então não como nada sólido pela manhã”, disse à Radio Times. Aniston acorda por volta das 9 horas da manhã todos os dias e ingere apenas líquidos, como sumos verdes e café. “Hoje, acordei e bebi um sumo de aipo”, contou.

A dieta seguida pela atriz intercala jejum com períodos de alimentação. “Notei uma enorme diferença em ficar sem consumir alimentos sólidos por 16 horas”, acrescenta.

Segundo o nutrólogo e endocrinologista João Curvo, em declarações à publicação Ativo Saúde, ao ficar em jejum, o corpo mobiliza as reservas de gordura para gerar energia, e isso promove a perda de massa gorda. Todavia, o emagrecimento só é possível quando aliado a um estilo de vida saudável, como a prática de atividade física e dormir horas suficientes (entre sete a nove horas). 

Prós e contras do jejum intermitente

“O jejum intermitente, assim como as dietas com restrição calórica, tem como objetivo a perda de peso. Todas as outras alegações de melhora metabólica não tem ainda qualquer validação científica, ou seja, consenso de instituições e associações nacionais e internacionais”, explica a nutricionista Catharina Paiva, à mesma publicação.

Embora o método emagreça, pode prejudicar algumas funções do organismo, como renovação celular  e envio de energia para órgãos, já que exclui macronutrientes, como hidratos de carbono, proteínas e gorduras, por longos períodos de tempo.

O jejum pode ainda ter alguns efeitos colaterais, como:

– Acidez elevada no estômago;

– Hipoglicemia;

– Tonturas e queda de pressão arterial;

– Aumento do risco de transtornos alimentares, como anorexia, já que estimula a pessoa a aguentar longos períodos em jejum. 

Adicionalmente, é necessário ter em atenção que o jejum intermitente não gera mudanças duradouras no corpo, já que só funciona durante o período que é feito.

Como fazer?

Embora existam várias maneiras de fazer jejum intermitente, todas envolvem a divisão do dia ou da semana em períodos de alimentação e jejum.

Todos os métodos podem causar perda de peso, desde que não haja compensação comendo muito mais durante as fases de alimentação.

Os tipos de jejum intermitente são:

16:8 (realizado pela Jennifer Aniston)

É o método mais fácil de seguir e também o mais popular. Não se toma o pequeno-almoço e restringe-se o período de refeições diárias a 8 horas, jejuando durante 16 horas.

A pessoa pode comer das 8h às 16h ou das 12h às 20h. Fora esses horários, não se come nada ou é somente permitida a ingestão de liquídos. 

Coma-Pare-Coma

O jejum dura 24 horas e deve ser realizado entre uma ou duas vezes por semana.

5:2

Nesse método, a pessoa consome apenas 500 a 600 calorias em dois dias não consecutivos da semana, mas come normalmente nos outros cinco dias – desde que a alimentação seja saudável e equilibrada.

Segundo o nutrólogo e endocrinologista João Curvo, em declarações à publicação Ativo Saúde, ao ficar em jejum, o corpo mobiliza as reservas de gordura para gerar energia, e isso promove a perda de massa gorda. Todavia, o emagrecimento só é possível quando aliado a um estilo de vida saudável, como a prática de atividade física e dormir horas suficientes (entre sete a nove horas). 

Prós e contras do jejum intermitente

“O jejum intermitente, assim como as dietas com restrição calórica, tem como objetivo a perda de peso. Todas as outras alegações de melhora metabólica não tem ainda qualquer validação científica, ou seja, consenso de instituições e associações nacionais e internacionais”, explica a nutricionista Catharina Paiva, à mesma publicação.

Embora o método emagreça, pode prejudicar algumas funções do organismo, como renovação celular  e envio de energia para órgãos, já que exclui macronutrientes, como hidratos de carbono, proteínas e gorduras, por longos períodos de tempo.

O jejum pode ainda ter alguns efeitos colaterais, como:

– Acidez elevada no estômago;

– Hipoglicemia;

– Tonturas e queda de pressão arterial;

– Aumento do risco de transtornos alimentares, como anorexia, já que estimula a pessoa a aguentar longos períodos em jejum. 

Adicionalmente, é necessário ter em atenção que o jejum intermitente não gera mudanças duradouras no corpo, já que só funciona durante o período que é feito.

Como fazer?

Embora existam várias maneiras de fazer jejum intermitente, todas envolvem a divisão do dia ou da semana em períodos de alimentação e jejum.

Todos os métodos podem causar perda de peso, desde que não haja compensação comendo muito mais durante as fases de alimentação.

Os tipos de jejum intermitente são:

16:8 (realizado pela Jennifer Aniston)

É o método mais fácil de seguir e também o mais popular. Não se toma o pequeno-almoço e restringe-se o período de refeições diárias a 8 horas, jejuando durante 16 horas.

A pessoa pode comer das 8h às 16h ou das 12h às 20h. Fora esses horários, não se come nada ou é somente permitida a ingestão de liquídos. 

Coma-Pare-Coma

O jejum dura 24 horas e deve ser realizado entre uma ou duas vezes por semana.

5:2

Nesse método, a pessoa consome apenas 500 a 600 calorias em dois dias não consecutivos da semana, mas come normalmente nos outros cinco dias – desde que a alimentação seja saudável e equilibrada.

POR LILIANA LOPES MONTEIRO

Fonte:O PAINEL